26/07/2016

Opala de Fogo | Pedras Preciosas


Essa foto incrível foi tirada pelo fotógrafo Jeff Schultz, em janeiro de 2010. Ela foi extraída de uma mina no Estado de Querétaro, no México. Quando colocada sob reflexão da luz, parece abrigar dentro de si um Pôr-do-Sol singular. Algo que parece ter roubado uma pequena porção do Universo e cristalizado em forma de rocha. Confira algumas curiosidades!

Rocha de onde foi extraída e polida a opala da foto de capa.

Opalas são consideradas como Mineraloides, que é um nome dado para materiais de origem geológica (pedras, por exemplo) que apresentam características semelhantes às dos Minerais, mas que não são Cristalinos, ou seja, não possuem um padrão tridimensional bem definido ou uma geometria específica. Mineraloides também não possuem uma composição química suficientemente uniforme para serem considerados um mineral específico.

Substâncias produzidas pelo homem ou qualquer outro ser vivo que tenham características de minerais também são chamadas mineraloides, como o gelo que criamos em geladeiras ou a concha de um molusco, por exemplo.

As Opalas são feitas de sílica (substância de que é feita a areia da praia) amorfa (sem forma tridimensional específica e padronizada) hidratada (com um percentual de água que pode chegar a até 20%). Uma coisa curiosa é uma de suas características, chamada tecnicamente de "Fratura Concoidal" (ou Conchoidal), isso quer dizer que quando ela é quebrada naturalmente ou rompida por esforço mecânico, a fratura apresenta a forma de lascas, justamente por não ter uma estrutura cristalina (geometria tridimensional específica). Isso foi muito importante para a humanidade durante a pré-história, no período que conhecemos como Idade da Pedra Lascada, onde nossos ancestrais foram capazes de produzir inúmeras ferramentas, com as quais podiam cortar, furar e triturar materiais usados em sua alimentação ou defesa (flechas, lanças, facas, moinhos, etc.).

Na Idade Média, a Opala foi considerada uma pedra que poderia fornecer muita sorte porque se acreditava possuir todas as virtudes de cada pedra preciosa representada no espectro de cores da opala. Também foi dito conferir o poder da invisibilidade se envolvida em uma nova folha de louro e segurada na mão. Na sequência das publicações de Sir Walter Scott "Anne de Geierstein" em 1829, a Opala adquiriu uma reputação menos auspiciosa. No romance de Scott, a baronesa de Arnheim usa uma opala talismã com poderes sobrenaturais. Quando uma gota de água benta cai sobre o talismã, a opala se transforma em uma pedra incolor e a Baronesa morre logo depois. Devido à popularidade do romance de Scott, as pessoas começaram a associar opalas com má sorte e morte. Dentro de um ano da publicação do romance de Scott, em abril de 1829, a venda de opalas na Europa caiu 50%, e manteve-se baixa para os próximos 20 anos ou mais. Mesmo tão recentemente como o início do século 20, acreditava-se que a Opala encarnava o espírito do Mau-Olhado, pois contam que um russo comprou uma opala que estava à venda e nunca mais ele conseguiu comprar mais nada.

Veja essas fotos incríveis de Opalas encontradas em muitas partes do mundo. Algumas inclusive, tratam-se de fósseis que ao invés de serem petrificados por sílica comum, ou outro material, foram petrificados por Opala, dando um efeito exótico extremamente belo a essas rochas brutas, raras e bastante valiosas para a indústria da joalheria.





































Assim como as Opalas, alguns mineraloides têm grande importância econômica e gemológica, como, por exemplo, a Obsidiana (um tipo de vidro vulcânico), o Azeviche (gema orgânica feita de carvão mineral compactado, também conhecido como Âmbar Negro), o Âmbar (resina ou seiva orgânica fóssil), as Pérolas (produzidas por moluscos, ostras e mexilhões em reação a corpos estranhos que invadem suas conchas), entre outros que você vê nas imagens abaixo. Assim que possível farei uma postagem específica para cada um deles.







Fontes e Agradecimentos:
Coober Pedy Opals
Wikipedia (Inglês)

Nos a companhe nas redes sociais: