18/05/2016

A Incrível Historia de Alferd Packer, o Canibal do Colorado - Historia, Crime, Curiosidades


Na Universidade do Colorado, EUA, tem um café-churrascaria que se chama “Alferd Packer Memorial Grill”, com o slogan “Servindo a humanidade desde 1874” e onde você pode saborear um bife especial que leva o nome de “The Cannibal”. Sinistro, mas saiba agora quem foi esse cara que além de ser muito respeitado, ganhou espaço na música, no cinema, no teatro e até na culinária!

Esta Matéria em Vídeo

Neste vídeo, uma versão resumida e com linguagem um pouco mais coloquial. Mas não deixe de ler a matéria inteira, pois ficou riquíssima em informações e com muitos detalhes sórdidos. Divirta-se!


Sua Incrível História

Antigo açougue em Allegheny County Pennsylvania
Alfred Griner Packer nasceu em 21 de Janeiro de 1842, em Allegheny County, Pensilvânia , um dos três filhos de James Packer e sua esposa Esther Griner. No início da década de 1850, James Packer mudou com sua família para Lagrange County, Indiana , onde trabalhou como marceneiro.

Foto de Alferd Packer e sua lápide.
Quando Alferd Packer tinha 19 anos, a Guerra Civil estourou e ele se alistou na 16ª Infantaria dos Estados Unidos em Wynona, Minnesota. Ele serviu apenas 8 meses e foi dispensado antes do Ano Novo devido à epilepsia. Em junho de 1863, ele tentou se alistar novamente, desta vez no 8º Regimento da Cavalaria do Iowa, mas foi dispensado novamente, 10 meses depois, pela mesma razão. Em seguida, viajou para as Montanhas Rochosas e trabalhou na mineração durante 9 anos.

O nome de Alferd era, na verdade, Alfred e é escrito desta forma em sua lápide, como você pode ver na foto acima, e em documentos oficiais. A história é que enquanto servia no Exército durante a Guerra Civil, Alfred fez uma tatuagem e o artista grafou seu nome como "Alferd." Packer assumiu o novo apelido e referia a si mesmo depois como Alferd.


Em 1873, um grupo de cerca de vinte homens em Utah ouviram rumores de uma descoberta de ouro perto de Breckenridge, Colorado. Era novembro, mas eles estavam ansiosos para encontrar o lugar e marcar uma posição. Então, eles contrataram um sertanejo chamado Alferd Packer como seu guia. Alferd juntou-se ao partido, liderado por Bob McGrue, com 20 homens, e deixaram Bingham Canyon, Utah e se dirigiram a leste, com a intenção de chegar nas montanhas de San Juan de Colorado. O inverno foi terrível aquele ano, de modo que eles só conseguiram chegar ao Acampamento Indígena do Chefe Ouray, conhecido por ser amigo do homem branco, na foz do Dry Creek, perto de Montrose, a 2 milhas ao sul de Delta, em janeiro de 1874, quase 3 meses depois. Eles chegaram com fome e desesperados.

Índios Utes, em sua aldeia, onde o grupo de McGrue se alojou e recebeu cuidados.
Índios Utes, em frente à Agencia Indiana
 Os Utes (aldeia do Chefe Ouray) cuidaram muito bem deles, mas também pediram veementemente que eles não continuassem para as montanhas até a primavera. A montanha tinha passagens traiçoeiras, havia o perigo iminente de avalanche e, em alguns lugares, poderia haver queda de neve suficiente para enterrar todos eles. No entanto, cinco dos homens de McGrue estavam tão afetados pela febre do ouro que ignoraram os conselhos do Chefe Ouray e simplesmente não podiam esperar. O plano deles era contratar Alferd Packer como seu guia e irem para a Agência Indiana de Los Pinos em Cochetopa Creek entre Saguache e Gunnison.

Uma primeira caravana, liderada por OD Loutsenheiser com outros três homens saíram primeiro; Packer tentou segui-los, mas Loutsenheiser apontou um revólver para Packer e disse-lhe que "se ele os seguisse através da montanha teria problemas." então Packer voltou para o acampamento. Na semana seguinte, em 9 de fevereiro, Packer e outros cinco homens, Israel Swan, James Humphrey, Shannon Wilson Bell, Frank "Reddy" Miller e George "California" Noon, seguiram para a Agência Indiana Los Pinos. O líder do equipamento, Bob McGrue, guiou o grupo de Packer até que seus cavalos não pudessem mais continuar. McGrue voltou para o acampamento de Ouray. O que aconteceu depois disto não está muito claro.

No melhor dos tempos, era uma viagem de cerca de 121 km (75 milhas), mas eles pensaram que era apenas 64 km (40 milhas) e levaram apenas 10 dias de provisões de alimentos, de acordo com uma das versões dos historiadores. Apenas Packer surgiu do outro lado das montanhas, no dia 16 de Abril de 1874, dois meses depois, e chegou à Agência indiana de Los Pinos perto de Gunnison. Presos nas montanhas, com neve até os ombros e subindo cada vez mais as montanhas, eles acabaram sem alimentos e energia em um terreno de cascalho perto de Lake San Cristobal , a colina que é agora Lake City. Eles estavam perdidos e foram pela esquerda em vez da direita, e desceram o Lago Fork, em vez de subir, mas Packer era o seu guia, então...

Foto antiga da Agência de Los Pinos
Quando Preston Nutter, um membro do grupo original de McGrue, perguntou a Packer o que aconteceu com o resto do seu partido, e ele afirmou que os outros o abandonaram e, com muito custo, ele sozinho cambaleou por mais de 80 km (50 milhas) até conseguir chegar à Agência Indiana Pinos Los, porém ele parecia muito saudável para alguém que dizia ter lutado com a neve pesada durante dez semanas. "Meus pés estão molhados e congelados", dizia ele.

Após uma curta estadia na Agência, Packer disse que queria voltar para a Pensilvânia, e foi acompanhado por Nutter e dois outros membros do grupo original de McGrue para Saguache, onde ele poderia comprar suprimentos para sua partida. Durante o curso desta jornada, Nutter viu que Packer tinha em sua posse uma faca de esfolar que tinha pertencido a Frank "Reddy" Miller e começou a ter dúvidas sobre a sua história.

Quando o grupo chegou a Saguache, Packer fez arranjos para o quarto no bar de Dolan. Foi quando Larry Dolan, o proprietário do bar, contou a Nutter que Packer havia gastado, anteriormente, cerca de US$ 100 durante a sua estadia, e que Packer até se ofereceu para emprestar-lhe US$ 300. Packer também havia gastado US$ 78 na loja de produtos em geral Otto Mears. Mais tarde, várias testemunhas também disseram que ele tinha sido visto em Saguache semanas antes. Ele tinha dito às pessoas de Saguache que ele tinha machucado a perna e caiu tentando alcançar seus companheiros. Ele perguntava a todos se por acaso seus companheiros não tinham passado por lá, e questionava, cinicamente, se eles teriam saído vivos das montanhas. Ao mesmo tempo, estas testemunhas disseram que Packer possuía várias carteiras em sua posse e havia rolos de dinheiro em cada uma. Para o grupo de McGrue, Packer alegou que estava sem dinheiro, e havia vendido seu rifle Winchester ao Major Downer, juiz de paz, por US$ 10 (dez dólares).

Nutter e os outros membros do partido agarraram Packer e ameaçaram enforcá-lo, acusando-o de ter mentido a todos e de ter matado seus companheiros de caravana. O General Adams, chefe da Agência indiana Los Pinos, entrou em cena na hora certa para salvar Packer.

À direita, em pé, o General Adams. Da direita para esquerda, sentado, o Índio Chefe Ouray.
Depois de ser interrogado sob a supervisão do General Charles Adams, finalmente, no dia 8 de maio, ele escreveu a punho sua confissão e assinou. Esta foi a primeira de várias versões que Packer iria dizer durante o resto de sua vida.

"O Velho Swan (Ps.: 65 anos) morreu primeiro e foi comido pelas outras cinco pessoas, cerca de dez dias depois de sairmos do acampamento. Quatro ou cinco dias depois Humphreys morreu e também foi comido; ele tinha cerca de cento e trinta e três dólares (US $ 133). Eu encontrei seu livro de bolso e peguei o dinheiro. Algum tempo depois, enquanto eu estava carregando madeira, Miller foi morto, acidentalmente, como os outros dois me disseram e ele também foi comido. Bell atirou em "California" com a arma de Swan e eu matei Bell, antes que ele também me matasse. Eu cobri os restos e levei um pedaço grande de suas carnes comigo. Em seguida, viajei catorze dias para a agência. Bell queria me matar com seu rifle, mas atingiu uma árvore e quebrou sua arma. ”
Trecho da primeira confissão de Packer
Segundo esta versão, Packer afirma que um por um, os homens passaram fome e morreram ao longo da trilha, até que sobraram apenas ele e Bell e que estava caçando quando Bell matou Noon com a arma de Swan. Quando Packer retornou ao acampamento, ele e Bell terminaram de comer ao meio-dia. Então, supostamente, Bell teria decidido eliminar Packer, mas uma luta se seguiu, onde Bell levou a pior.

Após assinar a confissão, Packer foi forçado a levar os investigadores em uma busca através das montanhas para tentar localizar os corpos. Packer, naturalmente, levou-os para o lugar errado e nada foi encontrado. No entanto, ninguém acreditava na história dele e, de qualquer maneira, ele foi preso e encarcerado na prisão de Saguache, esperando uma investigação mais aprofundada.

Em agosto daquele ano, um artista da revista semanal Harper, chamado John Randolph encontrou cinco conjuntos de restos humanos logo acima da margem do Lago Fork em Gunnison, a alguns quilômetros do que é agora Lake City. Parecia que um deles tinha entrado em uma luta, mas os outros tinham sido mortos durante o sono. Dois dos corpos tinha pedaços de carne cortada deles, um do peito, e o outro da coxa. Ele desenhou tudo em detalhes e, em seguida, foi para a cidade e relatou sua descoberta. Bem diferente do relato de Packer, eles não tinham caído um por um, espalhados ao longo da trilha, mas foram todos mortos em um acampamento e não havia sinais de luta.

Desenho da suposta cena do crime, feito por John Randolph para a Revista Harper.
O Coronel de Hinsdale County reuniu 20 homens como testemunhas e correu para o local para fazer um inquérito. Todo mundo deu uma boa olhada nos corpos e, em seguida, enterraram os restos juntos em uma encosta com vista para o local da descoberta. Logo eles correram de volta para a cidade para enfrentar Packer com suas mentiras, mas descobriu que ele tinha sido ajudado a escapar da prisão Saguache (em uma versão posterior da história, Packer afirmou que o xerife sentiu pena dele e o deixou escapar). A prisão naquele tempo era pouco mais que uma cabana de madeira.

Foto antiga da Prisão de Saguache, de onde Alferd Packer fugiu.
Packer se escondeu durante nove anos sob o nome de John Schwartze mas, finalmente, em Fort Fetterman, Wyoming, um membro do partido original de Packer, que tinha começado com ele de Utah (um sujeito chamado Frenchy Cabizon) reconheceu a risada de Packer em um bar e o denunciou. Ele foi imediatamente detido e transportado de volta para Lake City para julgamento, em 11 de março de 1883. Um grande júri se formou contra ele pelo assassinato de seus cinco companheiros.

Mais uma vez o General Adams supervisionou o interrogatório e o convenceu a fazer sua segunda confissão, que ele assinou em 16 de março. Mas em vez de afirmar que os homens gradualmente mataram uns aos outros para sobreviver, como tinha dito na primeira confissão, desta vez, ele disse que o grupo tinha deixado o acampamento do chefe Ouray com apenas 7 dias de provisões de alimento. Dez dias depois, durante a viagem, eles estavam sobrevivendo alimentando-se de botões de rosa e resina de pinheiro e alguns dos homens estavam mostrando sinais graves de depressão e loucura. Um dia Swan disse a Packer para subirem em uma montanha e acabaram saindo da trilha, ficando perdidos a partir daí. Alguns dias depois, Packer havia saído para caçar e quando retornou ao acampamento encontrou Bell sentado junto ao fogo, assando um pedaço de carne da coxa de Miller. Ao se aproximar, Bell pegou o machado e veio para cima dele com a intenção de matá-lo. Em auto-defesa, Packer atirou em Bell, no estômago e caiu. Foi quando Packer pegou o machado e golpeou Bell na cabeça para acabar com ele.

Lake Fork, local que eles percorreram e onde tudo aconteceu.
Packer afirmou que todos os dias depois disso, ele tentou sair do campo horrível, mas foi parado pela profundidade da neve. Assim, a cada dia ele comia um pouco mais de seus companheiros, sobrevivendo dessa maneira por cerca de dois meses. Finalmente, ele arrumou uma arma, US$ 70 que tinha encontrado nos corpos, vários pedaços de carne humana e saiu em sua jornada para Los Pinos. Ele disse que comeu os últimos pedaços que estavam com ele pouco antes de alcançar a Agência. Ele também admitiu que ele havia enganado os policiais durante a busca pelos corpos em 1874, porque não queria chegar perto daquele local macabro e que ele escapou da prisão de Saguache usando um canivete como chave. Ele também contou que fugiu primeiro para o Arkansas e, em seguida, para o Arizona antes de ir para Wyoming, onde foi pego.

Em 6 de abril de 1883, o primeiro julgamento começou em Lake City, Colorado, no tribunal Hinsdale County. Quando pôde defender-se, passou mais de duas horas contando algumas novas mentiras: mentiu sobre sua idade, a natureza de seu serviço militar, a causa de sua epilepsia e o fato de ter sido dispensado do Exército por duas vezes, negou ter matado aqueles homens, exceto Shannon Bell, que ele afirmou ter matado em auto-defesa. Sete dias depois Packer foi considerado culpado de assassinato premeditado. Foi condenado à morte por enforcamento.

Desenho ilustrativo representando Alferd Packer com a ideia de matar a todos e se alimentar deles.
Primeira foto tirada de Alferd Packer na Penitenciária e ao lado, anotações sobre ele.
De acordo com um jornal local, o juiz-presidente, MB Gerry, disse: "Levante-se filho da puta voraz devorador de homens e receba sua sentença. Quando você veio a Hinsdale County, haviam sete democratas oficiais. Mas você, comeu cinco deles, seu porra. Eu o sentencio a ser enforcado pelo pescoço até vê-lo morto, morto, morto, como o verme que reduziu a população deste concelho. Packer, você é um Republicano Canibal, e eu o sentenciaria ao inferno, mas os estatutos me proíbem. " No entanto, registros das gravações do tribunal, revelam que a fala do Juiz Gerry foi muito mais educada, e a citação acima representaria obviamente o sentimento das pessoas da época. Gerry sentenciou Packer a ser enforcado em 19 de maio de 1883, um mês depois do julgamento.

Segunda fotografia tirada na prisão
Mas em outubro de 1885, Packer ainda continuava preso, utilizando-se de todos os recursos legais de apelação disponíveis, e a sentença de enforcamento acabou sendo revertida pela Suprema Corte do Colorado, baseada em uma lei “pós-fato”, onde Packer não poderia ser condenado por um crime de Estado já que o Colorado não era um estado no momento do incidente. Um novo julgamento em Gunnison, a 48km de Lake City, se instaurou e em 8 de junho de 1886 e aconteceu da mesma forma que o anterior, só que desta vez, ele foi acusado de homicídio voluntário. Ele foi condenado a 40 anos (oito anos para cada assassinato), na época, a mais longa pena de prisão na história dos EUA. O termo "Canibalismo de Emergência" tornou-se popular no Ocidente, expressando que Packer não teve a intenção premeditada de cometer aqueles crimes, que tudo o que ocorreu foi obra do acaso na emergência da fome que os castigava e que todos estamos sujeitos a isso. Dizem que o Juiz fez de Packer um exemplo de nossa fragilidade ao depararmos com nosso instinto animal de sobrevivência às adversidades impostas pela natureza.

Muitos afirmam que Packer é o único homem em nos EUA julgado por canibalismo. Na realidade, ele só foi julgado por assassinato e homicídio culposo. Ele nunca foi julgado por canibalismo.

Uma descrição do segundo julgamento de Packer em 1886
O mapa das viagens de Packer, que foram apresentados no seu segundo julgamento.
Em agosto de 1897, após pouco mais de 14 anos de prisão, Packer escreveu uma longa carta a um repórter no Rocky Mountain News. Nessa carta, que foi posteriormente publicada, Packer disse ainda uma outra versão, mais detalhada e ainda mais contraditória de sua história.
Poly Pry, do jornal Denver Post

Mas, apesar de tudo, Packer tinha vários admiradores: Poly Pry, por exemplo, uma jornalista influente gerada pelo clima político do Colorado, assumiu a causa de Packer, acreditando ser ele inocente. Ela convenceu seu jornal, o Denver Post, a publicar seus artigos de apoio Packer.

Alferd Packer em 1901
Toda essa publicidade gerada por vários jornais da época, logo chamou a atenção do governador que emitiu a liberdade condicional em 07 de janeiro de 1901. Packer já contava seus 59 anos e sofria da "Doença de Bright", hoje conhecida como Insuficiência Renal Crônica, consequência da hipertensão grave.

Ele saiu da cadeia em 8 de Fevereiro de 1901 e tentou trabalhar no "Sells Floto Circus" em apresentações de Sideshow Freak, conhecidos como Show de Aberrações ou Show de Horrores (Grifo meu: será que ele queria se apresentar como "O Famoso Canibal do Colorado", sendo ele mesmo o protagonista do show de horrores que cometeu em 1874?). Não sendo aceito pelo circo, passou a trabalhar como guarda no Correio de Denver.

Banner do Circo em que Packer quis trabalhar
Pouco tempo depois, ele se mudou para Littleton, Deer Creek Canyon no Condado de Jefferson e passou o resto de sua vida gerenciando duas minas e cuidando de suas doenças de estômago e fígado. Vizinhos disseram que ele era um homem gentil e que adorava carregar crianças no colo e contar a elas as histórias de suas façanhas nas montanhas.

Packer tentou, sem sucesso, ter sua liberdade condicional comutada para um perdão completo nos anos após a sua libertação. O governador, acreditando que Packer era culpado, mas muito doente para ser preso novamente no início do século XX, se recusou.

Ele morreu de um acidente vascular cerebral em 24 de Abril, 1907, com 65 anos, e como recebia uma pensão militar por invalidez de US $ 25 por mês, foi enterrado às custas do governo, como veterano da Guerra Civil, recebendo todas as condecorações possíveis. De acordo com o jornal local de Littleton, The Independent, suas últimas palavras foram: "Eu não sou culpado das acusações." Há rumores de que Packer teria se tornado vegetariano antes de sua morte. Ele foi enterrado no cemitério de Littleton dentro do "Círculo dos Veteranos," um local com sepulturas dispostas em torno da bandeira que homenageia os veteranos honrados desde a Guerra Civil até da II Guerra Mundial. Sua lápide foi fornecido à custa dos contribuintes em nome de uma nação agradecida, e lista, em seu epitáfio, o regimento original, de quando serviu à Nação em 1862.

Dizem as más línguas que Alferd Packer sempre dizia que "foi a carne mais saborosa que ele já havia experimentado em toda sua vida" e que os mamilos tem um sabor particularmente exótico e alucinante.


O problema principal com a defesa de Packer foram suas frequentes mentiras, o júri foi reticente em acreditar na última versão de sua história. E o fato de que ele havia fugido da justiça por nove anos não foi entendido como atitude de um homem inocente. Além disso, muitos ficaram perturbados com a sua admissão ao canibalismo. O canibalismo era um pecado que poderia ser perdoado se um homem encontrava-se em circunstâncias desesperadas, mas se ele os matou para, egoisticamente, sustentar-se de seus restos, isto era imperdoável.

Memorial das Vítimas

O local onde todo o horror de 1874 aconteceu tornou-se um memorial em homenagem às vítimas e também um marco histórico e turístico para todos aqueles que querem aprofundar-se em sua incrível história. Veja as fotos.



Tradução: "Esta placa foi erigida em memória de Israel Swan, George Noon, Frank Miller, James Humphreys e Wilson Bell, que foram assassinados no início do ano de 1874, enquanto pioneiros de recursos minerais de San Juan. 


Placa que fica ao lado do memorial das vítimas.
Investigações Recentes

Em 17 de julho de 1989, 115 anos após Packer supostamente ter consumido seus companheiros, uma exumação dos cinco corpos foi realizada por James E. Starrs, que foram analisados pelo Professor Walter H. Birkby, especializado em ciência forense na Universidade George Washington. Após uma busca exaustiva para a localização precisa dos restos em Cannibal Plateau em Lake City, Colorado, Starrs e seu colega concluiram: "Eu acho que nunca vai ser possível demonstrar cientificamente o canibalismo, a menos que tivéssemos uma imagem do cara realmente comendo. " Com objeções de outros cientistas, investigadores forenses, e estudantes, Starrs concluiu que Packer era uma mentira, ele nunca havia sido um assassino canibal. Um de seus investigadores observaram que um dos esqueletos tinha uma ferida de bala, mas mais tarde, concluiu-se que o furo foi feito por um animal.

Foto da perícia no dia da exumação dos corpos das vítimas de Alferd Packer.
James E. Starrs, educador nas áreas de direito e ciência forense. Usa tecnologia avançada e testes de DNA em suas pesquisas claramente baseadas em Exumações de Cadáveres.  Autor do livro "A Voz da Morte" ("A Voice for the Dead"),  em cuja dedicatória, ele escreve: "Para aqueles cujas vozes ainda não foram ouvidos, mas merecem ser."
Walter H. Birkby, antropólogo forense, carinhosamente conhecido como "Dr. Morte", usa seus conhecimentos profundos sobre o esqueleto humano para resolver crimes e identificar pessoas. Faleceu aos 83 anos, em 2015.

Não satisfeito com as conclusões de Starrs, em 1994, David P. Bailey, curador de História, no Museu do Colorado, empreendeu uma investigação para conseguir resultados mais conclusivos. Na coleção Audrey Thrailkill de armas de fogo de propriedade do museu havia um revólver Colt que supostamente havia sido encontrado em 1950 no acampamento de Packer e seus companheiros, por um estudante de arqueologia. O revólver Colt possuía cinco câmaras balísticas e duas delas estavam vazias, enquanto as outras três ainda continham balas, o que coincidia perfeitamente com a história contada por Packer em sua versão final, em que ele dizia ter atirado duas vezes no abdômen de Bell. O Colt encontrado era um revólver policial, modelo de 1862, que era popular entre os garimpeiros por causa de seu baixo custo. A pistola estava oxidada e o punho de madeira tinha apodrecido.

Colt encontrado na cena do crime
Através de sua pesquisa, Bailey descobriu um diário de um veterano da Guerra Civil, que descreveu a cena do crime. A revista, que não tinha sido apresentada como prova durante o julgamento, diz que os investigadores descobriram que dois tiros foram disparados no local, ambos contra Shannon Bell. Todos os outros haviam sido mortos por uma machadinha. Uma das balas penetrou a pelve de Bell e um buraco correspondente foi encontrado em sua carteira. Após uma investigação exaustiva sobre o revólver, tudo parecia corroborar com a alegação de Packer que Bell tinha matado as outras vítimas e que Packer atirou em Bell em legítima defesa.

Foto do Dr. Richard Dujay (à esquerda) e  David P. Bailey (à direita), comemorando suas conquistas nas investigações.
Em 2001, Bailey trabalhou com o Dr. Richard Dujay da Faculdade "Mesa State College" em Grand Junction. Dujay estava no comando do microscópio eletrônico da faculdade e juntos examinaram os restos de Shannon Bell. Eles descobriram fragmentos de bala nos restos de Bell que possuíam uma correspondência exata com uma amostra retirada de uma das balas restantes na câmara do revólver. Também encontraram resíduo de pólvora na roupa de Bell corroborando a história de Packer que ele havia atirado em Bell à queima-roupa depois de ser atacado. Mas embora tenham conseguido provar que Bell foi morto por um tiro, a questão de saber se foi assassinato ou legítima defesa ainda permanece sem resposta.

Fotos da arma de Alferd Packer, uma das balas retiradas do canhão e sua marca entalhada na haste do revólver.
Foto do Museu Curador, quando o caso foi aberto novamente em 1999, após recuperar o revólver Colt com o qual Packer teria matado Bell
Em 14 de setembro de 2002, com "um toque melodramático", uma simulação de julgamento foi realizada no histórico Teatro da Câmara Municipal de Littleton. Bailey e Dujay, fantasiados à caráter, segundo a moda do século XIX, serviram como testemunhas especialistas e um ator representou Alferd Packer. A audiência, que serviu como o júri, devolveu o veredicto de "não culpado".

No entanto, nem todo mundo que tinha examinado as provas concorda. Muitos ainda enviam Packer ao carrasco, dado a diversas interpretações dos factos descobertos. Assim como o Pé Grande, o assassinato de Kennedy, e o pouso na Lua, a história de Alferd Packer vai ser continuamente refutada em ambos os lados. Packer será sempre conhecido como canibal de Littleton.

Cultura Popular

No início de 1960, o cantor folk “Phil Ochs” escreveu a canção "The Ballad of Alferd Packer", documentando os eventos da expedição e suas consequências.


Em 1968, os estudantes da Universidade de Colorado Boulder chamaram seu novo Café-Churrascaria de "Alferd G. Packer Memorial Grill", com o slogan "Ter um amigo para o almoço!" O relatório anual Philadelphia Folk Festival apresenta uma tenda de jantar estampada com os dizeres: "The Alfred E. Packer Memorial Dining Hall ... servindo a humanidade desde 1874".



Em 1990, a artista country CW McCall gravou uma faixa em seu álbum The Real McCall intitulado "Coming Back for More ", que reviveu a lenda e deu a entender que o fantasma de Packer ainda assombra Lake City.


Em 1990, a banda de Death Metal Cannibal Corpse dedicou seu álbum de estreia, “Eaten Back to Life”, à Packer. "Este álbum é dedicado à memória de Alfred Packer, o primeiro americano canibal (RIP)"


Macabre, uma banda de Murder-Metal de Chicago, lançou uma música sobre a caminhada de Packer para o ouro chamada "In the Mountains" (que lembra muito a balada de “Fulano é um bom companheiro...”) de seu álbum: Morbid Campfire Songs (2002).


Em 1993, estudantes da Universidade do Colorado Trey Parker e Matt Stone, que algum tempo depois seriam os co-criadores de South Park, fizeram um filme chamado “Cannibal! O Musical”, vagamente baseado na vida de Packer.


Adaptações de filmes menos conhecidos incluem "The Legend of Alfred Packer" (1980) e o filme de terror, "Devored: The Legend of Alferd Packer" (2005).


Atualmente há uma banda chamada “The Alferd Packer Memorial String Band”, que busca retratar o período.



Uma frase interessante para terminar esta postagem:
"Aqueles que não conhecem a história estão destinados a repeti-la."  Edmund Burke (1729-1797)

Fontes e Agradecimentos:
New York Post

Livros Utilizados:
Botkin, Benjamin A. (1957). A Treasury of American Anecdotes page 174 Man-Eating Packer Galahad Press.
Gantt, Paul H (1952). O Caso de Alfred Packer, The Man-Eater. Denver: University of Denver Press.