Invenções Bizarras #01: Gaiola Suspensa para Bebês


Acredite ou não, esta invenção foi uma moda por volta dos anos 1937. O cercadinho suspenso foi distribuído pelos membros do Chelsea Baby Club de Londres para as mães que não tinham jardins para distrair as crianças e para que ficassem expostas ao ar fresco, no objetivo de melhorar sua saúde. O tal dispositivo ficava pendurado em janelas de prédios, normalmente visto em edifícios bem altos sobre ruas movimentadas. Isso porque era um item muito caro que somente as mães com boa situação financeira podiam comprar. Confira a história por trás disto.

O uso de gaiolas para bebês surgiu em 1894, quando o Dr. Luther Emmett Holt defendeu que "arejar" os bebês era o melhor caminho para construir seus sistemas imunológicos, em seu livro "O Cuidado e a Alimentação das Crianças". Ele descreve cuidadosamente como os bebês devem ser arejados a fim de renovar e purificar o sangue. No livro, ele não sugestiona as mães a construírem as jaulas: isso foi uma adaptação das ideias que ele colocou em seu livro, escrito em formato de Q&A (perguntas e respostas). O Dr. Holt dizia que a exposição das crianças ao frio tornaria seu corpo mais resistente a resfriados, teriam a pele mais corada, melhoraria o apetite e daria mais energia, pois as mudanças na temperatura ajudam a tonificar o corpo para a adaptação a qualquer ambiente (Darwin). Dentre alguns de seus conselhos, ele sugeria que colocassem as crianças em seus carrinhos de bebês ou cestos perto de janelas, com todas as portas e janelas da casa abertas, durante algumas horas do dia. Creio que foi daí que os inventores tiraram a brilhante ideia de construir as gaiolas.

1934
Em 1906, Eleanor Roosevelt, Primeira Dama dos Estados Unidos entre 1933 a 1945, colocou seu bebê em uma jaula improvisada na janela de seu apartamento a fim de refrescá-lo um pouco, pois estava muito calor. Por sua própria admissão, ela disse que "não sabia absolutamente nada sobre manipulação ou alimentação de bebês". Ela comprou uma gaiola de galinhas e pendurou para fora de seu apartamento, na janela. Os vizinhos ameaçaram chamar a polícia, mas nada foi feito.

1940
De acordo com o Daily Mail, em 1922, uma inventora chamada Emma Read, de Washington, redigiu um pedido de patente para o projeto de gaiolas para bebês, citando a saúde das crianças em grandes cidades como sua inspiração. De acordo com o The Northern Star, a descrição da patente dizia: "É do conhecimento de todos as grandes dificuldades que os bebês e as crianças pequenas enfrentam em grandes e populosas cidades, cheias de apartamentos sem espaço para jardins, isto é, do ponto de vista da saúde. Com estes fatos em vista, o objetivo desta invenção é proporcionar um artigo que fabrico para que os pequeninos sejam suspensos sobre o exterior de edifícios em uma janela aberta". As gaiolas na patente também foram projetadas com um telhado inclinado, para proteger as crianças da chuva e da neve.

Projeto patenteado
Mas apenas na década de 1930 que o projeto realmente decolou. Havia defensores de que o ar externo às gaiolas era muito poluído e ainda mais prejudicial para os bebês que o ar de dentro da casa.



Veja este comercial que circulava na época e grande responsável pela venda em massa dos produtos:


Se as gaiolas eram de fato seguras (considerando que nossos ar-condicionados não caem de seus suportes externos), então as mães estavam no caminho certo, embora eu jamais daria esta chance para o azar, ainda mais em um país que sofre cerca de 1800 tremores todos os anos.

1936

A partir de 1948, a popularidade destes equipamentos diminuiu, com certeza por conta da preocupação com a segurança de seus filhos. Não encontrei registros, mas pode ser que em algum lugar, algo tenha dado errado, não?

1940
1948
Mas a ideia de que os bebês precisam de ar fresco persiste, ainda nos dias de hoje, independente da ciência por trás dele: na Escandinávia, por exemplo, os carrinhos de bebês são muitas vezes estacionados em frente a restaurantes e lojas (com o bebê dentro do carrinho, lógico), enquanto suas mães fazem uma pausa no interior do estabelecimento ou terminam suas compras.

Fonte: Treee Hugger (Trecho do livro, em inglês)